Eterno enquanto dure

Eu me casei muito novo. Eu tinha acabado de completar 19 anos e ela mal tinha completado 18. Era nossa chance de sair por nossa conta de baixo da casa dos nossos pais. Queríamos provar para o mundo que éramos destinados a algo maior.

Logo depois de começar a namorar, ela me disse que estava grávida e que o pai a tinha abandonado. Eu tinha essa necessidade de provar a mim mesmo que eu era importante. Se eu pudesse ser o herói de alguém, eu realmente seria importante. Então eu assumi a responsabilidade de criar a criança como se fosse minha. Depois de ter nos conhecido por apenas quatro meses, a filha dela nasceu e logo nos casamos. Eu acreditava ser capaz de conquistar uma linda casa daquelas com cerca branca, ser um ótimo pai, marido e que poderia trazer o sustento do nosso lar. Tudo era maravilhoso no início. Com 21 anos, me tornei o gerente mais jovem em uma rede de restaurantes. Compramos nosso apartamento e eu dirigia um Audi. A filha dela me tinha e me amava como um pai. Depois de algumas promoções, compramos uma propriedade em um bairro nobre no subúrbio. O sonho americano estava se alinhando para nós. A gente vivia bem. Mas ainda parecia existir uma infelicidade, como um zumbido no fundo que nunca desaparecia.

Alguns anos depois de casados, descobrimos que estávamos esperando uma criança. Toda aquela tensão e infelicidade estavam vindo à tona. Descobri anos depois que a “escola particular” que ela dizia frequentar era na verdade uma instituição para doentes mentais. Os desafios da gravidez começaram a piorar a doença mental que ela tinha. Foi quando tudo começou a sair do controle. Ela começou a usar drogas: maconha, ecstasy, cocaína e craque. Ela desaparecia por dias sem eu saber onde ela estava. Ela viajava por horas só para usar drogas com colegas. Eventualmente, ela se viciou em heroína. A vida dela se resumia ao momento em que ela poderia usar de novo.

Eu ainda morava com ela, mas hoje sei que eu a apoiava na esperança de resolver seus problemas.

Quando nosso filho nasceu, as coisas realmente começaram a desabar. A gota d’água foi quando eu estava saindo com alguns amigos e um deles me chamou para longe do grupo, gesticulou na direção de um outro amigo e disse: “Como você consegue sair com ele? Você não sabe que ele está ficando com sua esposa?

Depois descobri que eles estavam se encontrando por um bom tempo. Pouco depois ela já não podia esconder uma nova gravidez. Como a gente já não estava tendo sexo, sabia que não era meu. Mais ou menos um mês e meio depois, cheguei em casa e me deparei com os dois se agarrando enquanto as crianças brincavam no mesmo quarto. Foi o meu limite. Então me certifiquei de que ela se mudasse.

Para uma perspectiva feminina de um caso de traição, leia a história da Amy[Marido Infiel].

Levou mais de um ano para que o processo de divórcio terminasse. Lembro de um dia em que fui buscar as crianças e ela abriu a porta nua. Vi na mesa carreiras de cocaína e um cachimbo, o que a filha dela chamava de “vaso de flor”.

A gente vivia bem. Mas ainda parecia existir uma infelicidade, como um zumbido no fundo que nunca desaparecia.

Eu imediatamente peguei as duas crianças e as levei para morar comigo. Ela levou mais ou menos uma semana para ficar sóbria e perceber o que tinha acontecido. Então ela começou a jogar sujo indo até a polícia, alegando que eu estava abusando das crianças. A polícia não teve escolha a não ser tirar as crianças de mim e colocá-las de volta aos “cuidados” dela.

Tudo se esclareceu no tribunal alguns dias depois, mas até lá, ela já tinha desaparecido com as crianças e eu fiquei sem vê-los por sete meses. Até que um dia, ela entrou em contato com minha irmã pedindo dinheiro, o que nos possibilitou localizá-la.

Quando eu finalmente consegui meus filhos de volta, eles já estavam extremamente mal cuidados, e meu filho de dois anos estava com um desenvolvimento mental muito atrasado. Meu coração foi ao chão quando eu vi as crianças, mas eu estava muito feliz por tê-los de volta. Pouco tempo depois eu consegui a guarda legal do meu filho. Minha enteada acabou ficando com meus pais, que a amaram como se fosse deles e eventualmente a adotaram.

Não sei onde minha ex-esposa está hoje, mas espero que ela encontre esperança, cura e estabilidade. Também espero que ela aprenda a sonhar de novo. Posso dizer que a perdoei de verdade e não guardo nenhuma amargura. Claro que isso não apaga o fato de que as escolhas dela fizeram com que eu e as crianças atravessássemos um caminho incrivelmente difícil. Mas eu espero sim o melhor para ela.

Não é como se eu fosse um marido perfeito. Eu também falhei no meu casamento. Eu não estive presente para ela de verdade. Eu trabalhava mais de 70 horas por semana, perseguindo meu sonho de sucesso. Guiado por aquela necessidade de ser alguém significante, eu estava indo além do limite para conseguir promoções e bônus.

Eu chegava em casa exausto e era um idiota egoísta. Eu pensava: “Onde está meu jantar? Por que as roupas não estão lavadas?” Eu sentava na frente da televisão e não brincava muito com as crianças. Eu realmente não estava emocionalmente presente para ela. Eu nem mesmo sabia como me conectar com ela naquele nivel. Para mim, tudo se resumia ao quanto eu estava me sacrificando pela família. Ela deve ter se sentido muito sozinha.

Me divorciar não resolveu minhas inseguranças. Eu ainda estava deficiente em minha habilidade para ter intimidade emocional. Eu trouxe esses mesmos defeitos para os próximos relacionamentos, que também falharam. Tenho aprendido agora nos últimos anos a lidar com essas questões que estão profundamente enraizadas em mim.

Atualmente estou noivo e tem sido muito libertador ser capaz de dar à minha noiva o tipo de amor que ela precisa e merece.

Se você está encarando um divórcio ou se você está preso no período pós-divórcio, saiba que você não está sozinho. O divórcio pode parecer o fim, mas tudo melhora à medida que você supera a dor. Conversar com alguém sobre o que você está passando realmente ajuda muito. Se você preencher o formulário abaixo, um membro de nossa equipe vai entrar em contato com você para te ouvir e para te ajudar a seguir em frente.